A 27 de abril de 1521, morre em Mactán, nas Filipinas, o navegador português Fernão de Magalhães. A sua estátua está colocada na Praça do Chile, em Lisboa, numa oferta do Chile. O escultor foi o chileno Guilherme Cordoba.
Segundo um relato da historiadora Misleine Neris de Souza Silva :  
” Fernão de Magalhães nasceu em Sabrosa, na região norte de Portugal em Trás-os-Montes, no dia 3 de Fevereiro de 1480. Quando ainda criança foi para Lisboa e pertenceu à quarta ordem da nobreza portuguesa. Foi também pajem da corte da rainha D. Leonor, esposa de D. João II.
Ficou conhecido como o navegante e capitão da armada que foi a pioneira em navegar os oceanos Atlântico, Pacifico e Indico com o intuito de descobrir uma rota alternativa para chegar às Índias e obter as tão almejadas especiarias.
Quando tinha 25 anos, acompanhando o vice- rei, participou nas viagens para as Índias Orientais que envolvia as regiões da China, Japão, Índia, Arábia e Pérsia. Em 1513 lutou na região de Azamor na conquista de Marrocos, onde ficou gravemente ferido uma perna.
Como o seu amigo Rui Faleiro também havia sido exilado, juntos uniram os seus conhecimentos e elaboraram vários planos de viagens. Mapearam lugares através dos astros e apresentaram-nos à coroa espanhola. Com o auxilio de Cristóvão de Haro que era inimigo do rei de Portugal, juraram lealdade ao rei da Espanha e assinaram um contrato afirmando que todas as terras encontradas seriam espanholas.
Assim, partiram cinco embarcações de Naus carregadas de itens de subsistência, armamentos e munições. Composta por aproximadamente 265 homens de várias nacionalidades, asseguraram-se de que não teriam problemas de comunicação com os povos que pudessem encontrar pelo caminho.
As expedições comandadas por Fernão Magalhães continuaram até chegar ao Golfo de São Matias, onde encontraram pessoas altas que receberam por eles o nome de “ patagones” e a região foi batizada de Patagónia.
Infelizmente em Maio do mesmo ano, uma Nau naufragou com vários marinheiros a bordo e por sorte, alguns conseguiram salvar-se. A frota seguiu viagem em 24 de Agosto, mas tiveram que parar dois meses devido ao mau tempo. Em Outubro encontraram o “Cabo das Onze Mil Virgens” que lhes permitiu passar para o outro lado do oceano. Relatos afirmam que o caminho era estreito e assustador.
Após descansarem e abastecerem os seus barcos, seguiram em direção a Mactán. Ao desembarcarem no dia 27 de Abril, Fernão de Magalhães foi recebido com uma flecha no peito. Não resistiu e morreu na praia. Abalados, os marinheiros continuaram a viagem ao comando de Juan Sebastián Elcano. No dia 21 de Dezembro chegaram ao destino tão almejado por Fernão – Ilhas Molucas.
No regresso, voltaram apenas 18 homens. Essas viagens entraram para a história de Fernão de Magalhães que, apesar de não ter concluído os seus objetivos, conseguiu provas de que o seu mapeamento estava correto através da teoria de que a Terra era redonda. “